AS CONCEPÇÕES DE LEITURA PROPOSTAS NOS CADERNOS FORMATIVOS DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

Autores

  • Celina loose Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

alfabetização, concepções de leitura, produção de sentidos, Pnaic.

Resumo

O estudo analisa os documentos usados na formação de professores do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic) realizada em 2012, uma iniciativa resultante da parceria entre o governo federal, estados, municípios e universidades para que todas as crianças brasileiras sejam plenamente alfabetizadas até o 3o ano do Ensino Fundamental. A análise centra-se nos cadernos formativos de Língua Portuguesa usados pelos formadores e professores alfabetizadores do Pacto. O marco teórico baseou-se em Bakhtin (1999, 2003), que tem o diálogo e os sentidos como categorias marcantes nas relações verbais e nos enunciados. O estudo permitiu notar que a proposta para o trabalho de leitura orienta concepções com ênfase para usos sociais de leitura, em que o leitor é um sujeito ativo, que no encontro com o texto, recupera sentidos por meio de um conjunto de estratégias cognitivas para compreendê-lo.

Biografia do Autor

Celina loose, Universidade Federal do Espírito Santo

Celina Loose, Graduação em Letras/Português pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Colatina (1994), Pós graduação na área da Educação, no Curso de Educação Integral e Saberes Populares pela Universidade Federal do Espírito Santo (2012), Mestrado em Educação e Linguagens pela Universidade Federal do Espírito Santo (2016). Experiência como professora de Língua Portuguesa  da educação Básica. Experiência na função técnico-pedagógica na Secretaria de Educação do Estado do  Espírito Santo (Sedu -central), equipe de formação (2016).  Tem experiência na área de Educação, como técnico-pedagógico do Ensino Fundamental I e II, Regional de Educação de Cariacica ( 2009-2014), como coordenadora Escolar e pedagógica ( rede particular e pública). Experiência como professora de Língua Portuguesa na rede pública e particular ( no Ensino Fundamental I e II e, no Ensino Médio. Experiência como professora de Pós graduação na Prática de Língua Portuguesa. Orientadora de estudo do Pnaic e tutora a distância em Complementação Pedagógica (Ifes).  Experiência nas áreas de Linguagem, Educação e Informática Educativa. Atualmente, professora de Língua Portuguesa da Escola Viva (6º anos) e docente de Ensino Superior nos cursos de graduação: Pedagogia, Administração e Direito, Faculdade Unesc-Serra.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

_______. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1999.

BRASIL. A heterogeneidade em sala de aula e os direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetização. Ano 2, Unidade 7. Brasília: 2012a.

______. A organização do planejamento e da rotina no ciclo de alfabetização na perspectiva do letramento. Ano 2, Unidade 2. Brasília: 2012b.

______. Alfabetização em foco: projetos didáticos e sequências didáticas em diálogo com os diferentes componentes curriculares. Ano 3, Unidade 6. Brasília: 2012c.

______. Ludicidade na sala de aula. Ano 1, Unidade 4. Brasília: 2012d.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa. Currículo na alfabetização: concepções e princípios. Ano 1, Unidade 1. Brasília: 2012e.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Documento orientador das ações de formação continuada de professores alfabetizadores em 2015.

______. O último ano do ciclo de alfabetização: consolidação do processo de alfabetização - consolidando os conhecimentos. Ano 3, Unidade 3. Brasília: 2012f.

______. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: formação do professor alfabetizador - caderno de apresentação. Brasília: 2012g.

______. Reflexões sobre a prática do professor no ciclo de alfabetização: progressão e continuidade das aprendizagens para a construção do conhecimento por todas as crianças. Ano 2, Unidade 8. Brasília: 2012h.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. (Orgs.). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 295-316.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994. v. 1.

CHARTIER, R. A história cultural entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CÔCO, V. A dimensão formadora das práticas de escritas de professores. Curitiba: CRV, 2014.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

GONTIJO, C. M. M. Alfabetização: políticas mundiais e movimentos nacionais. Campinas: Autores Associados, 2014.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 4. ed. Campinas: Unicamp, 1996.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. 9. ed. Campinas: Cortez, 2012.

SCHWARTZ, C. M. Os sentidos da leitura. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 29., 2006, Caxambu. Anais eletrônicos... Disponível em: <http://www.anped.org.br/biblioteca/item/os-sentidos-da-leitura>. Acesso em: 22 ago. 2016.

______. Os sentidos do texto. Cadernos de Pesquisa em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Educação, PPGE, v. 12, n. 24, p. 25-50, 2006.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SOUZA, E. E. P. A formação continuada de professor alfabetizador nos cadernos do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC. 2014. 358 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

ZAPPONE, M. H. Y. Práticas de leitura na escola. Tese (Doutorado em Teoria Literária) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

Publicado

2020-07-27

Como Citar

loose, C. (2020). AS CONCEPÇÕES DE LEITURA PROPOSTAS NOS CADERNOS FORMATIVOS DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA. Revista Brasileira De Alfabetização, (12), 122-139. Recuperado de http://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/276

Edição

Seção

TEMA LIVRE