ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO DISTRITO FEDERAL – DISPUTAS DE CONCEPÇÕES NAS DÉCADAS DE 1950 A 1990

Autores

  • Cláudia Borges Costa Secretaria de Educação de Goiania
  • Leila Maria de Jesus Oliveira UFG
  • Maria Margarida Machado UFG

Palavras-chave:

Alfabetização de Jovens e Adultos, Distrito Federal, Conscientização Política, Educação compensatória.

Resumo

O artigo apresenta o contexto histórico da alfabetização de adultos no Distrito Federal (DF), desde o início da construção de Brasília, final da década de 1950, até 1990. Resulta de pesquisa bibliográfica, documental e depoimentos de sujeitos históricos, que vivenciaram experiências de alfabetização de jovens e adultos, numa tentativa de recompor cenário, políticas e sujeitos envolvidos nessas iniciativas. A documentação, as referências bibliográficas e os depoimentos acessados pela pesquisa indicam uma disputa conceitual presente na educação voltada a jovens e adultos trabalhadores do Distrito Federal. Por um lado, uma perspectiva de alfabetização referenciada na formação e conscientização política, desde as primeiras experiências de alfabetização de adultos coordenadas por Paulo Freire, no contexto da década de 1960, e que serão retomadas pelos movimentos populares no final do Regime Militar. Por outro lado, a proposta de escolarização aligeirada e compensatória, através dos programas implementados pelo Movimento Brasileiro de Alfabetização (Mobral), projeto oficial de alfabetização de adultos do Regime Militar, e da consolidação do modelo de educação supletiva.

Referências

BARBOSA, Célia. ROCHA, Lúcia M. .F.. TEIXEIRA, M. A.. DUARTE. M. S. PRATES. N. V. SILVA, R. S. da. A experiência da aplicação do sistema Paulo Freire de alfabetização de adultos em Brasília, em 1963. Trabalho acadêmico. Universidade de Brasília, 1980. Brasília – DF. Disponível no acervo digital do Museu da Educação do Distrito Federal.

BARRETO, Vera. Paulo Freire para educadores. São Paulo: Arte & Ciência, 1998.

BRANDÃO, Carlos R. O Que é Método Paulo Freire. Disponível em: http://www.acervo. paulofreire.org:8080/jspui/bitstream/7891/4219/1/FPF_PTPF_12_102.pdf Acesso: 16/12/2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Ministerial no 195 de 8 de julho de 1963, que Institui junto ao Gabinete do Ministro uma Comissão de Cultura Popular. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001813.pdf =Acesso em 20 de novembro de 2019.

BRASIL. Presidência da República. Serviço Nacional de Informações. Agência Brasília. Ação Penal 166 fl. 841. 1965. Disponível em:http://pesquisa.memoriasreveladas.gov. br/mrex/consulta/resultado_pesquisa_new.asp?v_pesquisa=A%C3%A7%C3%A3o%20 Penal%20166%20&v_fundo_colecao=Acesso: 20 de novembro de 2019.

BRASIL. Presidência da República. Serviço Nacional de Informações. Agência Brasília. Informação no 491/ABSB/SNI/1970. Disponível em:http://pesquisa.memoriasreveladas. gov.br/mrex/consulta/resultado_pesquisa_new.asp?v_pesquisa=A%C3%A7%C3%A3o%20 Penal%20166%20&v_fundo_colecao=Acesso: 20 de novembro de 2019.

CORREIO BRAZILIENSE. O Ensino dia a dia. Ivone Jean. 03 de março de 1964. Caderno 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader. aspx?bib=028274_01&pasta=ano%20196&pesq=Em%20l960,%20o%20Centro%20Popu- lar%20de%20Cultura,%20que%20ainda%20n%C3%A3o%20tinha%20este%20nome,%20 nem,%20ali%C3%A1s,%20nome%20algum,%20deu%20as%20primeiras%20aulas%20 de%20alfabetiza%C3%A7%C3%A3o Consultado em: 20.08.2019.

CORREIO BRAZILIENSE. Prates instala o Mobral no DF. Ed. 03257, 28/07/1970, p. 11. DISTRITO FEDERAL, Governo do. Secretaria de Educação e Cultura. Plano de educação

e cultura do Distrito Federal: 1980-83. Brasília, 1980.

DISTRITO FEDERAL, Governo do. Secretaria de Educação e Cultura. Plano de Educação

do Distrito Federal 1982. Relatório do 3o ano de Execução. Brasília, 1983.

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado de Educação. 40 anos de educação em Brasília/ Secretaria de Estado de Educação. Brasília: Subsecretária de Planejamento e de Inspeção de Ensino. 2001.

DISTRITO FEDERAL. Lei Orgânica do Distrito Federal. 1993. Disponível em: http://www2. senado.leg.br/bdsf/handle/id/70442 Acesso: 12 de dezembro de 2019.

FREIRE, Paulo. Educação e mundança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

FREITAG,B.Brasíliarefletida.In:AbstrataBrasíliaconcreta.Brasília:Medialecom,2003. Dis- ponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000078&pid=S0103- -4014200700010002400006&lng=en Consultado em 12.12.2019.

GOIÁS, Secretaria de Educação e Cultura de. Revista de Educação, edição No 41, fascículo de outubro-novembro-dezembro. Goiânia, 1959.

IBGE, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio. 1996.

LEÃO FILHO, José. A Revolução dos Analfabetos. Brasília: revista. Ano 7, n. 65-81 (mai. 1962 /set. 1963). Companhia Urbanizadora da Nova Capital o Brasil – NOVACAP.

LIMA, Lauro de Oliveira. Tecnologia, educação e democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965. Apêndice, p. 173-195.

MELO, Thiago de. Faz Escuro Mas eu Canto – Porque a Manhã Vai chegar. Poesias, Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1965.

PAIVA, Vanilda. História da Educação Popular no Brasil- educação popular e educação de adultos. São Paulo: Edições Loyola. 2003.

Publicado

2020-03-25

Edição

Seção

DOSSIÊ