A IMPLEMENTAÇÃO DO CONSTRUTIVISMO EM ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE FERREIRO E TEBEROSKY NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE SÃO PAULO (1983-1988)

Autores

Resumo

Enfoca-se neste texto a implementação de prescrições construtivistas em alfabetização em documen- tos curriculares produzidos por equipes da Secretaria Municipal de Educação do Município de São Paulo, entre 1983 e 1988. Com objetivo de contribuir para a produção de uma História do ensino de leitura e escrita no Brasil, de modo a identificar e problematizar os sentidos das primeiras prescrições relativas ao construtivismo em alfabetização na rede municipal de ensino de São Paulo, selecionamos e analisamos sob a ótica da “configuração textual” alguns dos principais documentos nos quais se verificam processo de implementação do construtivismo em alfabetização nessa rede, em perspecti- va eclética e conciliatória com pressupostos do interacionismo linguístico.

Biografia do Autor

Fernando Rodrigues de Oliveira, Universidade Federal de São Paulo

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Paulo. 

Doutor e Mestre em Educação pela UNESP-Marília; Graduado em Pedagogia pela UNESP-Marília. Graduado em Letras pela Faculdade da Alta Paulista. 

Diego Benjamim Neves, Universidade Federal de São Paulo

Mestrando em Educação pela Universidade Federal de São Paulo

Graduado em Pedagogia. Diretor de Escola na Rede Municipal de Ensino de São Paulo

Referências

CANCLINI, Néstor García. Introdução à edição de 2001: as culturas híbridas em tempos de globalização. In: CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas: estratégias para Entrar e Sair da Modernidade. São Paulo: Edusp, 2001.

CARVALHO, Silvia Aparecida Santos de. O processo de elaboração do Programa Ler e Escrever - prioridade na escola municipal de São Paulo. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação – Campinas, 2016.

DOSSE, François. História do tempo presente e historiografia. Tempo e argumento. Revista do Programa de Pós- Graduação em História. v. 4, n. 1. P. 05-22, jan./jul. 2012.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Los sistemas de escritura en el desarollo del niño. Cidade do México: Siglo Veintiuno Editores, 1979.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Tradução de Diana M. Linchestein et al. Porte Alegre: Artes Médicas, 1985a.

FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. Trad. Horacio Gonzalez et al. São Paulo: Cortez, 1985b.

GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula: Leitura & produção. Cascavel: ASSOESTE, 1984.

JACOMINI, Márcia Aparecida. O ensino em ciclos e os educadores: rede municipal de ensino de São Paulo. Saarbrucken: Novas Edições Acadêmicas, 2016.

MELLO, Márcia Cristina de Oliveira. Emilia Ferreiro e a alfabetização no Brasil: um estudo sobre a Psicogênese da língua escrita. São Paulo: Editora Unesp, 2007.

MARINHO, M. A oficialização de novas concepções para o ensino de português no Brasil. 2001. 292f. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

MARSIGLIA, A. C. G. Um quarto de século do Construtivismo como discurso pedagógico oficial na rede estadual de ensino paulista. 2011. 228f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

MELLO, Guiomar Namo. Discurso. Cadernos de Pesquisa, n. 45, p. 81-83, mai. 1983.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os órfãos do construtivismo. Revista IberoAmericana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 11, n. esp. 4, p.2267-2286, 2016.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os sentidos da alfabetização: São Paulo 1876/1994. São Paulo: UNESP; Brasília: MEC, INEP, COMPED, 2000.

PESIRANI, Mariana Maíra Albuquerque. A constituição do discurso construtivista em documentos oficiais de referência curricular para a alfabetização produzidos nas décadas de 1980 e 1990. 2014. 93 p. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

REVAH, Daniel. Construtivismo: uma palavra no circuito do desejo. 2004. 530 p. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa 3: o tempo narrado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

SÃO PAULO (Município). Programa de 1o Grau – 1a à 4a série – versão preliminar. São Paulo: SME/DEPLAN, 1985a.

SÃO PAULO (Município). Programa de 1o Grau – 1a à 4a série. São Paulo: SME/DEPLAN, 1985b (versão definitiva). SÃO PAULO (Município). Plano de Ação SUPEME: 1986/1988. São Paulo: SME-BES/DEPLAN, 1986a.

SÃO PAULO (Município). Considerações gerais sobre o ensino de língua portuguesa. São Paulo: SME-BES/ DEPLAN, 1986b

SÃO PAULO (Município). Alfabetização - textos de apoio: língua portuguesa e matemática. São Paulo: SME-BES/ DEPLAN, 1986c

SÃO PAULO (Município). Proposta integrada de treinamentos para 1987 –DEPLAN/DREMS. São Paulo: SME- BES/DEPLAN, 1987b

SÃO PAULO (Município). Propostas alternativas de alfabetização (destaque: Emilia Ferreiro). São Paulo: SME- BES/DEPLAN, 1987a

SÃO PAULO (Município). Programa de Primeiro Grau - Ensino Regular: implementação de Português. São Paulo: Diário Oficial do Município (suplemento), 1987c

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2. ed., 2008. SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. São Paulo: Vozes, 1996.

Publicado

2020-07-27

Como Citar

Oliveira, F. R. de, & Benjamim Neves, D. . (2020). A IMPLEMENTAÇÃO DO CONSTRUTIVISMO EM ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE FERREIRO E TEBEROSKY NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE SÃO PAULO (1983-1988). Revista Brasileira De Alfabetização, (12), 172-191. Recuperado de http://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/422

Edição

Seção

TEMA LIVRE