POR UMA INFÂNCIA DA ESCRITA E DA LEITURA

Autores

  • Marcos Ribeiro de Melo Universidade Federal de Sergipe
  • Michele de Freitas Faria de Vasconcelos Universidade Federal de Sergipe
  • Roselusia Teresa de Morais Oliveira Universidade Federal de Sergipe

Resumo

Em diálogo com as artes literária e cinematográfica, este artigo aposta na infância da leitura e da es- crita como “germe de vida” para a invenção de si e de mundo. A infância, não como uma etapa de um ciclo de vida, mas como “condição de experiência”, como (des)limite da/na linguagem que, com sua força, desestabiliza práticas sociais, inclusive práticas escolares de escrita e leitura. Assim, trata- mos da produção de um corpo leitor-escritor como experiência primordial que abrange uma cognição encarnada e um tempo de ressonâncias que não é o tempo cronológico dos relógios, do capital, e do desenvolvimento. Vivemos um tempo acelerado e, quando refletimos sobre as práticas de escrita e leitura escolares, tal aceleração, vinculada à necessidade de produtividade, dispersa a atenção sobre como se escreve e como se lê. Diante disto, nos perguntamos: o que pode a escola no que diz respeito à constituição desse corpo leitor-escritor? Apostamos que ela pode muito, pois esta mesma escola é um dos poucos lugares em que, mesmo atravessado pela disciplinarização dos corpos e aceleração da vida, seja possível uma certa suspensão do tempo e do espaço mercadológicos.

Biografia do Autor

Marcos Ribeiro de Melo, Universidade Federal de Sergipe

Professor Adjunto do Departamento de Psicologia (DPS) e do Programa de Pós-Graduação e Pesquisa Interdisciplinar em Cinema (PPGCINE), ambos da Universidade Federal de Sergipe.

Psicólogo (UFS), mestre em Educação (PPGED/UFS) e doutor em Sociologia (PPGS/UFS). 

Michele de Freitas Faria de Vasconcelos, Universidade Federal de Sergipe

Professora do Departamento de Psicologia (DPS) e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGPSI) da Universidade Federal de Sergipe.

Doutora em Educação pela UFRGS

Roselusia Teresa de Morais Oliveira, Universidade Federal de Sergipe

Professora Adjunta do Departamento de Educação (DEDI), da Universidade Federal de Sergipe. 

Doutora em Educação pela UFPel

Referências

ABRAMOWICZ, Anete. Educação infantil: implementar o exercício da infância. In: ABRAMOWICZ, Anete; TEBET, Gabriela. Infância e pós-estruturalismo. São Paulo: Porto de ideias, 2017, p. 29-80

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005, 188p.

ALVIM, Davis Moreira; MAÇÃO, Davis Moreira. Uma filosofia das crianças: forças, meios e invenções. In: RODRIGUES, Alexsandro (org.). Crianças em dissidências: narrativas desobedientes da infância. Salvador: Editora Devires, 2018, p. 71-86.

BARROS, Manoel. O livro das ignorãças. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2016, 120p.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte:

Autêntica, 2017, 208p.

BÉGIN, Mathieu. Le forum de discussion sur Internet comme lieu d’étude de la réception des productions littéraires jeunesse: le cas de la série Pavel 1. Communication, Lettres Et Sciences du Langage, v. 5, n 1. ago. 2011.

BLOOM, Harold. Como e por que ler. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, 276p.

CAMPESATO, Maria Alice Gouvêa; RODRIGUES, Elisandro; SCHULER, Betina. Escrita, leitura e o tempo da educação. In: RODRIGUES, Allan; BERLE, Simone; KOHAN, Walter (orgs.). Filosofia e educação em errância: inventar a escola, infâncias do pensar. Rio de Janeiro: NEFI, 2018, p. 303-315.

CAVALLO, Guglielmo; CHARTIER, Roger (Coords.). Histoire de la lecture dans le monde occidental. Paris: Éditions Seuil, 1997, 592p.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990, 244p.

CHARTIER, Roger. (Org.). Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996, 268p

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e quietudes. Porto Alegre: Editora da UFRGS,

, 277p.

DELEUZE, Gilles. Post-scriptum: sobre as sociedades de controle. In: ___. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992a, p. 223-230.

Revista Brasileira de Alfabetização | ISSN: 2446-8584 | Número 12 - 2020 75

DELEUZE, Gilles. Três questões sobre seis vezes dois. In: ___. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992b, p. 53-63.

DELEUZE, Gilles, GUATTARI, Felix. O que é filosofia?. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992, 288p. DIDI-HUBERMAN, Georges. Que emoção! Que emoção?. São Paulo: Editora 34, 2016, 72p.

DUSSEL, Inés. Sobre a precariedade da escola. In: LARROSA, Jorge (org.). Elogio da escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2017, p. 87-111.

GADELHA, Sylvio. Educação, políticas de subjetivação e sociedade de controle. In: MARCONDES, Adriana; FERNANDES, Ângela; ROCHA, Marisa (org.). Novos possíveis no encontro da Psicologia com a Educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013, p. 15-36.

JOUVE, Vincent. La Lecture. Paris: Hachette Collection - Contours Littéraires, 2008, 106p. JOUVE, Vincent. Pourquoi étudier la littérature? Paris: Armand Colin, 2010, 224p.

KASTRUP, Virgínia. A cognição contemporânea e a aprendizagem inventiva. In: KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia; PASSOS, Eduardo. Políticas da cognição. Porto Alegre: Sulinas, 2008a, p. 93-112.

KASTRUP, Virgínia. Sobre livros e leitura: algumas questões da aprendizagem e oficinas literárias. In: KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia; PASSOS, Eduardo. Políticas da cognição. Porto Alegre: Sulinas, 2008b, p. 241-266.

KOHAN, Walter. A infância da educação: o conceito devir-criança. In: ___. Infância, estrangeiridade e ignorância. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p. 85-98.

LARROSA, Jorge. Literatura, experiência e formação. In: COSTA, Marisa Vorraber. Caminhos investigativos I: novos olhares na pesquisa em educação. Belo Horizonte: DP&A, 2007, p. 129-156.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. In: ___. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014a, p. 15-34.

LARROSA, Jorge. Ferido de realidade e em busca de realidade. Notas sobre as linguagens da experiência. In: ___. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014b, p. 73-122.

LARROSA, Jorge. Abecedário com Jorge Larrosa Bondía. Depoimento. [nov 2016]. (1h10min). Rio de Janeiro: CINEAD LECAV Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5FtY1psRoS4 . Acesso em 24 maio 2020.

LARROSA, Jorge. Esperando não se sabe o quê: sobre o ofício de professor. Belo Horizonte: Autêntica, 2018, 523p.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019, 288p.

LISPECTOR, Clarice. Felicidade clandestina. In: ___. Todos os contos. Rio de Janeiro: Rocco, 2016, p. 393-396.

MORAIS, Roselusia Teresa Pereira de. Modos de ler o impresso, modos de escrever na internet: escritas de leitores e leitoras do escritor Erico Verissimo. 221 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós- Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, 174p.

MILANEZ, Fernanda. Livros e panos. In: VENAS, Raíza; RIBES, Rita. Infância crônica. Rio de Janeiro: Nau, 2019, p. 81-82.

OLSSON, Liselott. Movimento e experimentação na aprendizagem de crianças pequenas. In: ABRAMOWICZ, Anete; TEBET, Gabriela. Infância e pós-estruturalismo. São Paulo: Porto de ideias, 2017, p. 29-80.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, 1992. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2013.

QUEIRÓS. Bartolomeu Campos de. A literatura é esse espaço onde o que sonhamos encontra o diálogo. Curitiba, Paiol Literário, Jornal Rascunho. 07 jun. 2011. Entrevista a Rogério Pereira. Disponível em: <http://rascunho.com. br/bartolomeu-campos-de-queiros/> Data de acesso: 17 out. 2018, p.1-15.

ROLNIK, Suely. A hora da micropolítica. Coleção Pandemia, vol. 1. São Paulo: n-1 edições, 2016, 31p.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012, 224p.

VASCONCELOS, Michele de Freitas Farias de; PRATES, Rui Benevides; MELO, Marcos Ribeiro de. Infância, cinema, lirismo: a poética do sonho de Wadjda. Momentos: diálogos em educação, v. 28, n.3, p. 26-46, set./ dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8393/6320. Acesso em 25 maio 2020.

VASCONCELOS, Michele de Freitas Farias de; MELO, Marcos Ribeiro de; SOUZA NETO, Edson Augusto de. Etnocartografar com olhos rebeldes: infantilando imagens com “A culpa é do fidel”. Interdisciplinar, v. 29, jan.- jun., p. 207-223, 2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/9633. Acesso em 25 de maio de 2020.

STELLA. Direção: Sylvie Verheyde. [S.I.]: Lume Filmes, 2008, 1 DVD (1h43min).

WUNDER, Alik. Das imagens que movem o pensar. In: SCARELI, Giovana; FERNANDES, Priscila Correia (org.). O que te move a pesquisar?: ensaios e experimentações com cinema, educação e cartografias. Porto Alegre: Sulina, 2016, p. 12-31.

Publicado

2020-07-27

Como Citar

Ribeiro de Melo, M., de Freitas Faria de Vasconcelos, M. ., & Teresa de Morais Oliveira, R. . (2020). POR UMA INFÂNCIA DA ESCRITA E DA LEITURA. Revista Brasileira De Alfabetização, (12), 64-77. Recuperado de http://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/433

Edição

Seção

DOSSIÊ