LETRAMENTOS FAMILIARES NA POLÍTICA DE ALFABETIZAÇÃO

Autores

  • Wagner Rodrigues Silva Universidade Federal do Tocantins (UFT) Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
  • Juliana de Sousa Delfino Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.47249/rba2021450

Palavras-chave:

escolarização, letramentos emergentes, famílias

Resumo

Investigamos o conceito de literacia familiar apresentado na política brasileira oficial de alfabetização na segunda década do século XXI. O principal documento investigado é o guia Conta Pra Mim, que sistematiza um programa com propostas de práticas de literacia familiar, conforme nomenclatura assumida oficialmente. Este estudo se caracteriza como uma pesquisa documental orientada predominantemente por pressupostos teóricos dos estudos dos letramentos, desenvolvidos em bases antropológicas e interpretativistas. Está situada na interface da Ciência da Educação e Linguística Aplicada. O programa de literacia ignora contribuições dos estudos dos letramentos informados por abordagens críticas. São sugeridas práticas de literacia familiar marcadas por reflexões sobre o sistema alfabético da escrita. Tais práticas se assemelham a abordagens formais preparatórias para a alfabetização.

Biografia do Autor

Wagner Rodrigues Silva, Universidade Federal do Tocantins (UFT) Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Possui Licenciatura Plena em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), mestrado, doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e pós-doutorado em Linguística Aplicada pela The Hong Kong Polytechnic University (PolyU) e pela Aswan University (Egito). Durante o curso de graduação, foi bolsista de Iniciação Científica (CNPq/PIBIC) por três anos. Atualmente é professor Associado II da Universidade Federal do Tocantins - UFT, docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras: Ensino de Língua e Literatura (Mestrado e Doutorado Acadêmico e Mestrado Profissional em Letras - ProfLetras), no Câmpus de Araguaína, e do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGLetras), no Câmpus de Porto Nacional. Na graduação, leciona disciplinas na área de linguagem na Licenciatura em Pedagogia, no Câmpus de Palmas. É bolsista de produtividade do CNPq (PQ-2). Tem experiência na área de Linguística Aplicada, atuando principalmente nos Estudos do Letramento, compreendendo os seguintes conteúdos: ensino de gramática, gêneros textuais, alfabetização, material didático,currículo, práticas de escrita, práticas de leitura e formação de professores. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Letras: Ensino de Língua e Literatura (Mestrado e Doutorado) durante quatro anos. É Segundo Secretário da Diretoria da Associação de Linguística Aplicada do Brasil - ALAB (Biênio 2016-2017). 

Juliana de Sousa Delfino, Universidade Federal do Tocantins

Juliana de Sousa Delfino está concluindo a Licenciatura em Pedagogia, na Universidade Federal do Tocantins (UFT), Câmpus de Palmas.

Referências

BARRERA, Sylvia; RIBEIRO, Iolanda; VIANA, Fernanda. Desenvolvendo competências de letramento emergente: inserção do programa DECOLE no contexto da educação infantil no Brasil. In: VIANA, Fernanda; RIBEIRO, Iolanda; BARRERA, Sylvia. (Org.). DECOLE – Desenvolvendo Competências de Letramento Emergente: propostas integradoras para a pré-escola. Porto Alegre: Penso, 2017. p. 1-16.

BRASIL. Planejando a próxima década: conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. Brasília: Ministério da Educação, 2015. 60 p. Fonte: http://pne.mec.gov.br/images/pdf/pne_conhecendo_20_metas.pdf. Acesso em: 04 jul. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Fonte: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA Política Nacional de Alfabetização. Brasília: MEC, SEALF, 2019a. 54 p. Fonte: http://alfabetizacao.mec.gov.br/politica-nacional-de-alfabetizacao-2/publicacoes. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Decreto 9.765, de 11 de abril de 2019. Brasília, 2019b. Fonte: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/ id/71137476/do1e-2019-04-11-decreto-n-9-765-de-11-de-abril-de-201971137431. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. Conta Pra Mim: Guia e Literatura Familiar. Brasília: MEC, SEALF, 2019c. Fonte: http://alfabetizacao.mec.gov.br/images/pdf/conta-pra-mim-literacia.pdf. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 421, de 23 de abril de 2020. Brasília, 2020. Fonte: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-421-de-23-de-abril-de-2020-253758595. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: D.O. 5 de outubro de 1988. Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996. Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069/90, de 13 de julho de 1990. Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 12 set. 2020.

BRITO, Maria. Escola e família: práticas de letramento, vivências e memórias. 2016. 135f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

CAGLIARI, Luiz. Alfabetização e pobreza. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas: Unicamp, n. 8, v. s/v, p. 25-48, 1986.

COELHO, Isabel. A importância da motivação para a leitura no Pré-escolar. 2011. 81 f. Trabalho de Projeto (Mestrado em Ensino do Português) – Escola Superior de Educação, Escola Politécnica Coimbra, Coimbra.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do compromisso: América Latina e educação popular. 1. ed. Indaiatuba: Villa das Letras Editora, 2008.

GOHN, Maria. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio. Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n.50, p. 27-38, 2006.

HADDAD, Sérgio; DI PIERRO, Maria. Aprendizagem de jovens e adultos: avaliação da década da educação para todos. São Paulo em Perspectiva, São Paulo: Fundação SEADE,v. 14, n. 1, p. 29-40, 2000. Fonte: https://www.scielo.br/pdf/spp/v14n1/9800.pdf. Acesso em: 12 set. 2020.

HALLIDAY, Michael; MATTHIESSEN, Christian. M. Halliday’s Introduction to Functional Grammar. 4. Ed. London: Routledge, 2014.

KLEIMAN, Angela. (Org.). Ossignificados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

KLEIMAN, Angela. Histórico da proposta de (auto)formação: confrontos e ajustes de perspectivas. In: KLEIMAN, Angela; SIGNORINI, Inês. (Org.). O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 17-39.

KLEIMAN, Angela; ASSIS, Juliana. (Org.). Significados e ressignificações do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2016.

KLEIMAN Angela; SIGNORINI, Inês. (Org.). O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed, 2000.

MARINHO, Marildes; CARVALHO, Gilcinei. (Org.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

MATA, Lourdes. Literacia familiar e desenvolvimento de competências de literacia. Exedra Revista Científica Escola Superior de Educação de Coimbra. Português: investigação e ensino, Coimbra, n. s/n, v. v/n, 2012, p. 219-227.

MENDONÇA, Fernanda. Projeto de letramento familiar: um olhar docente. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. ed. 08, n. 2, v. 1,p. 149-160, 2017a.

MENDONÇA, Fernanda. Letramento literário: crônicas e contos como instrumentos de humanização do leitor. 2017. 170f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017b.

MORAIS, Artur. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

MORAIS, Artur. Consciência fonológica na educação infantil e no ciclo de alfabetização. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

RESENDE, Ana; FIGUEIREDO, Maria. Práticas de literacia familiar: uma estratégia de educação para a saúde para o desenvolvimento integral da criança. Portuguese Journal of Public Health, Lisboa, vol. 36, n.2, 2018, p. 102-113. Fonte: http://www.scielo.mec.pt/pdf/pjph/v36n2/v36n2a07.pdf. Acesso em: 12 set. 2020.

ROJO, Roxane. (Org.). Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

SANTOS, Alana. Programa "Engajando famílias na escola": estratégias, possibilidades e desafios. 2015. 232f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

SILVA, Wagner. Letramento ou literacia? Ameaças da cientificidade. In: SILVA, Wagner R. (Org.). Contribuições sociais da Linguística Aplicada: uma homenagem a Inês Signorini. Campinas: Pontes, 2021.

SILVA, Wagner. Letramento e fracasso escolar: o ensino da língua materna. 2. ed. Manaus: Editora UEA, 2020.

SILVA, Wagner. Polêmica da alfabetização no Brasil de Paulo Freire. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, v. 58, n. 1, p. 219-240, 2019. Fonte: http://dx.doi.org/10.1590/010318138654598480061. Acesso em: 10 jan. 2021.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2003a.

SOARES, Magda. Letramento e Escolarização. In: RIBEIRO, V. M. (Org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global Editora, 2003b. p. 89-113.

SOARES, Magda. Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo: Editora Contexto, 2020.

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

STREET, Brian. Os novos estudos sobre o letramento: histórico e perspectivas. In: MARINHO, Marildes; CARVALHO, Gilcinei. (Org.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. p. 33-53.

STREET, Brian. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola, 2014.

STREET, Brian; STREET, Joanna. A escolarização do letramento. In: STREET, Brian. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola, 2014. p. 121-144.

TERZI, Sylvia. A oralidade e a construção da leitura por crianças de meios iletrados. In: KLEIMAN, Angela. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995. p. 91-117.

VIANA, Fernanda; RIBEIRO, Iolanda; BARRERA, Sylvia. (Org.). DECOLE – Desenvolvendo Competências de Letramento Emergente: propostas integradoras para a pré-escola. Porto Alegre: Penso, 2017.

VIANA, Fernanda; CRUZ, Joana; CADIME, Irene. “Ler” antes de ler. Como facilitar a aprendizagem da leitura e da escrita? In: VIANA, Fernanda; RIBEIRO, Iolanda; BARRERA, Sylvia. (Org.). DECOLE – Desenvolvendo Competências de Letramento Emergente: propostas integradoras para a pré-escola. Porto Alegre: Penso, 2017. p. 17-37.

VILHENA, Diana. Literacia familiar: Crenças, práticas e ambientes de literacia em famílias e conhecimento de leitura das crianças no 1º ano de escolaridade. 2014. 170 f. Dissertação (Psicologia) – Instituto Universitário Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, Lisboa.

Publicado

2021-07-04

Como Citar

Silva, W. R., & Delfino, J. de S. (2021). LETRAMENTOS FAMILIARES NA POLÍTICA DE ALFABETIZAÇÃO. Revista Brasileira De Alfabetização, (14), 148-169. https://doi.org/10.47249/rba2021450

Edição

Seção

TEMA LIVRE