PRÁTICAS ALFABETIZADORAS

QUAIS AS PERMANÊNCIAS E AVANÇOS?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47249/rba2021463

Palavras-chave:

Alfabetização; Ensino-aprendizagem; Prática Pedagógica; Metodologias de Alfabetização; Práticas Alfabetizadoras.

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar, a partir do ponto de vista de ex-alunos, práticas desenvolvidas pelos professores alfabetizadores, a fim de examinar permanências e possíveis avanços. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 12 pessoas alfabetizadas em diferentes décadas e originárias de escolas públicas. A análise dos dados fundamentou-se em Bardin (2010); e em Mortatti (2006, 2008), Pérez (2008) e Soares (2004, 2017a, 2020) sobre alfabetização. Os resultados indicam: permanência e prevalência da ideia restrita da alfabetização como aquisição do código escrito, com alguns avanços no sentido de incorporar práticas de uso social da escrita; permanência de práticas sistemáticas de leitura e escrita com memorização do alfabeto, sílabas e palavras; os métodos permanecem sendo a questão central da alfabetização; há tentativas reais de ressignificação do processo de alfabetização e do papel mediador do professor. 

Biografia do Autor

Luana Karoline Pieckhardt Santos de Souza, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Graduada em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Foi pesquisadora no Programa de Iniciação Científica na área de formação de professores com foco nas práticas pedagógicas e metodologias de alfabetização. Atualmente é Residente Técnica na área de Pedagogia no Complexo Social do Departamento Penitenciário do Paraná em Ponta Grossa.

Referências

ANTUNES, I. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2010.

BRASIL. Decreto nº 9.765, de 11 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Alfabetização. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 70-A, p. 15-17, 11 abr. 2019.

CARTAXO, S. R. M. Formação continuada do professor alfabetizador: abordagens, processos e práticas. 2009. 148 f.

Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2009.

CARTAXO, S. R. M.; SILVA, M. C.; MAINARDES, J. Resenha: SOARES, Magda. Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo: Contexto, 2020. 352 p. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, e2016890, p. 1-6, 2020. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.16890.097

FRADE, I. C. A. da S. Métodos de alfabetização, métodos de ensino e conteúdos de alfabetização: perspectivas históricas e desafios atuais. Educação, Santa Maria, v. 32, p. 21-40, 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

FRADE, I. C. A. da S. Uma genealogia dos impressos para o ensino da escrita no Brasil no século XIX. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, p. 264-281, 2010.

FRADE, I. C. A. da S. Um paradigma científico e evidências a ele relacionadas resolveriam os problemas da alfabetização brasileira? Revista Brasileira de Alfabetização – RBA, Florianópolis, v. 1, n. 10, ed. esp., p. 15-25, jul./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.47249/rba.2019.v1.339

GAMBOA, S. S. Pesquisa em educação: métodos e epistemologias. 2. ed. Chapecó: Argos, 2012.

GERALDI, J. W. (org). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2001.

MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 2001.

MORTATTI, M. R. L. História dos métodos de alfabetização no Brasil. Seminário Alfabetização e Letramento em Debate, Brasília, v. 1, p. 1-16, 2006.

MORTATTI, M. R. L. Os sentidos da alfabetização. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

PÉREZ, C. L. V. Alfabetização: um conceito em movimento. In: GARCIA, R. L.; ZACCUR, E. (org.). Alfabetização: reflexões sobre saberes docentes e saberes discentes. São Paulo: Cortez, 2008. p. 178-201.

PERFEITO, A. M. Concepções de linguagem e ensino gramatical. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 13., 2006, Pernambuco. Anais [...]. Pernambuco: ENDIPE, 2006, p. 1-13.

SOARES, M. Letramento e Escolarização. In: RIBEIRO, V. M. (org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2004. p. 85-100.

SOARES, M. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2017a.

SOARES, M. Alfabetização e letramento. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2017b.

SOARES, M. Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo: Contexto, 2020.

SZYMANSKI, H.; ALMEIDA, L. R; BRANDINI, R. C. A. R. A entrevista na pesquisa em Educação: a prática reflexiva. 2. ed. Brasília: Liber Livro, 2008.

WILLIAMS, R. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

Publicado

2021-12-09

Como Citar

Karoline Pieckhardt Santos de Souza, L., Manosso Cartaxo , S. R. ., & Bach , D. . (2021). PRÁTICAS ALFABETIZADORAS: QUAIS AS PERMANÊNCIAS E AVANÇOS?. Revista Brasileira De Alfabetização, (15), 12-27. https://doi.org/10.47249/rba2021463

Edição

Seção

TEMA LIVRE