A TEORIA DA MULTIMODALIDADE E EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA EM PORTUGAL

TRANSFORMAÇÃO PRÁTICA E APRENDIZAGEM PROFISSIONAL DE UMA EDUCADORA

Autores

  • Ana Isabel de Azevedo Domingues
  • Íris Susana Pires Pereira Centro de Investigação em Educação, Instituto da Educação, Universidade do Minho, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.47249/rba.v%2513.455

Palavras-chave:

Multimodalidade, Multiletramentos, Educação da Infância, Aprendizagem profissional

Resumo

Neste artigo, apresentamos resultados preliminares de uma pesquisa-ação que visa contribuir para o entendimento da relevância da teoria da multimodalidade para a construção da pedagogia da infância. Começamos por problematizar a conceção do domínio da comunicação e expressão nos documentos reguladores da ação dos educadores de infância em Portugal, aí situando a realização de uma pesquisa-ação com a qual a primeira autora experimentou e investigou as possibilidades e condições da aplicabilidade da teoria da multimodalidade e inquiriu a sua própria construção de saberes profissionais através de um processo autossupervisivo. A análise do subconjunto de dados que apresentamos neste artigo, incidentes nas representações multimodais escolhidas por uma criança, recolhidos de forma naturalista e analisados usando a técnica da análise de conteúdo multimodal, apontam para a relevância de reconceptualizar o desenvolvimento da comunicação na educação de infância como abraçando o desenvolvimento de repertórios semióticos multimodais, e não exclusivamente dos modos oral e escrito da linguagem verbal. A análise evidencia também transformações fundamentais identificadas na teoria prática da educadora-
investigadora e decorrentes da experimentação da teoria da multimodalidade. A principal conclusão do estudo é a da constatação empírica de que a teoria da
multimodalidade se constitui como uma ferramenta teórica relevante para a construção da pedagogia da infância e para o desenvolvimento profissional dos educadores de infância.

Referências

ALARCÃO, Isabel e TAVARES, José. Supervisão da Prática Pedagógica: Uma Perspetiva de Desenvolvimento e Aprendizagem. Coimbra: Editora Almedina, 2003.

AMADO, João. (coord.). Manual de Investigação Qualitativa em Educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014.

COPE, Bill; KALANTZIS, Mary. Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures. London and New York: Routledge, 2003.

COPE, Bill; KALANTZIS, Mary. New Learning. Elements of a science of education. Cambridge: University Press, 2000.

CORTESÃO, Luísa, STOER, Stephen. Investigação-acção e a produção de conhecimento no âmbito de uma formação de professores para a educação multicultural. Educação, sociedade & culturas. 7, 7-28. Porto: Edições Afrontamento, 1997.

DAY, Cristopher. Reflection: A necessary but not sufficient condition for professional

development. British Educational Research Journal, vol. 19, 1, pp. 83-93,1993

DAY, Cristopher. Developing Teachers: The challenges of Lifelong Learning. Londres e Nova York: Routledge, 1999.

DYSON, Anne. ReWriting the basics. Literacy learning in children’s cultures. New York: Teachers College Press, 2013.

GOODFELLOW, Robin. Literacy, literacies, and the digital in higher education. Teaching in Higher Education, 16(1), pp. 131–144, 2011.

HAGGERTY, Maggie & MITCHELL, Linda. Exploring curriculum implications of multimodal literacy in a New Zealand early childhood setting. In: European Early Childhood Education Research Journal, 18:3, 327-339, DOI: 10.1080/1350293X.2010.500073, 2010.

KRESS, Günther. Before Writing: Rethinking the Paths to Literacy. Londres e Nova York: Routledge, 1997.

KRESS, Günther. Multimodality. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (eds.). Multiliteracies: literacy learning and the design of soial futures. Londres: Routledge, 2000.

KRESS, Günther. Multimodality. A Social Semiotic Approach to Contemporary Communication. Londres e Nova York: Routledge, 2010.

KRESS, Günther. Multimodal discourse analysis from: The Routledge Handbook of Discourse Analysis Routledge,16 Nov 2011, Accessed on: 30 Apr 2020 https://www.routledgehandbooks.com/doi/10.4324/9780203809068.ch3

KRESS, Günther. Perspectives on making meaning: The differential principles and means of adults and children. In: LARSON, Joanne; MARSH, Jackie (eds.). The SAGE Handbook of Early Childhood Literacy. 2. ed. Londres: SAGE, p. 329-344, 2013.

KALANTZIS, Mary. and COPE, Bill. New Learning: Elements of a Science of Education. Cambridge, Forthcoming, Cambridge University Press, 2006.

KUMPULAINEM, Kristina, SINTONEN, S., VARTIAIANEN, J., SAIRANEN, H., NORDSTRÖM, A., BYMAN, J., RENLUND, J. Playful arts: The joy of learning, Helsinki: Kiriprintti Oy, 2018.

LANKSHEAR, Colin., GEE, James, KNOBEL, Michael and SEARLLE, C. Changing Literacies. Philadelphia: Open University Press, 1997.

LAVOIE, L., MARQUIS, D., LAURIN, P. La Recherche Action: Théorie et Pratique. Manuel d’Autoformation. Québec: Presses de l’Université du Québec, 1996.

LONDON GROUP. A pedagogy of multiliteracies: Designing social futures. Harvard Educational Review, v. 66, n. 1, 1996.

OFCOM. Children and parents: media use and attitudes report 2017. Londres: Ofcom, 2017. Disponível em: https://www.ofcom.org.uk/research-and-data/media-literacy research/childrens/children-parents-2017. Acesso em: 18 nov. 2018.

SILVA, Isabel Lopes, MARQUES, Liliana. MATA, Lourdes, ROSA, Manuela. Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: Ministério da Educação/DGE, 2016.

MALAGUZZI, Loris. The Hundred Languages of Children: catalogue of the exhibition. Reggio Emilia: Reggio Emilia Children, 1986.

MATA, Lurdes. A descoberta da escrita. Lisboa: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular, 2008.

MOLL, Luis. et al. Funds of knowledge for teaching: using a qualitative approach to connect homes and classrooms. Theory into Practice, Qualitative Issues in Educational Research, 31(2), 132-141, 1992.

PEREIRA, Íris. Para uma reconceptualização do processo de alfabetização. Desafios colocados pela comunicação digital. Revista Brasileira de Alfabetização – Belo Horizonte: ABAlf, MG, v. 1, n. 8, p. 15-32, 2018.

POMPERT, Bea in B. van Oers (ed.), Developmental Education for Young Children, International 41 Perspectives on Early Childhood Education and Development 7, DOI 10.1007/978-94-007-4617-6 4, 2012.

RINALDI, Carlina. In: Dialogue with Reggio Emilia: listening, researching and learning. London: Routledge, 2006.

SHULMAN, Lee. Paradigms and research programs in the study of teaching: a contemporary perspective. In M. Wittrock (ed.), Handbook of research on teaching. New York: MacMillan publishing Company, 1986.

VAN OERS, Bert (Ed). Developmental Education for Young Children, International Perspectives on Early Childhood Education and Development 7. Dordrecht, The Netherlands: Springer, 2012b).

VIEIRA, Flávia. Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica. Educação & sociedade, Campinas, 29 (105), 2009.

VYGOTSKY, Lev. Thought and language. Cambridge, MA: MIT Press, 1978.

VYGOTSKI, Lev. A formação social da mente. São Paulo: Editora Livraria Martins Fontes Ltda. 4a edição brasileira, 1991.

VYGOTSKI, Lev, LURIA, Alexander, LEONTIEV, Alexei. Psicologia e Pedagogia I: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Lisboa: Editorial Estampa, A.N.,1991.

VYGOTSKI, Lev. A formação social da mente. São Paulo: Editora Livraria Martins Fontes Ltda. 4a edição brasileira, 1991.

YELLAND, Nicola; LEE, Libby; O’ROURKE, Maureen; HARRISON, Cathie. Rethinking learning in early childhood education. England: Open University Press, 2008.

ZEICHNER, Kenneth. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

Publicado

2020-12-03

Como Citar

Domingues, A. I. de A. ., & Pereira, Íris S. P. . (2020). A TEORIA DA MULTIMODALIDADE E EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA EM PORTUGAL: TRANSFORMAÇÃO PRÁTICA E APRENDIZAGEM PROFISSIONAL DE UMA EDUCADORA. Revista Brasileira De Alfabetização, (13), 26-45. https://doi.org/10.47249/rba.v%13.455

Edição

Seção

DOSSIÊ