TEMPO DE APRENDER

UM DESSERVIÇO PARA A ALFABETIZAÇÃO NO BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47249/rba2022595

Palavras-chave:

Política Nacional de Alfabetização, Tempo de Aprender, Formação de professores

Resumo

Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa qualitativa sobre o curso de formação continuada de professores “Tempo de Aprender”, promovido pelo MEC em 2020. Reflete-se sobre a perspectiva de alfabetização e os procedimentos indicados para o ensino da leitura e da escrita, a partir dos vídeos dos módulos dois e três do curso, dos textos explicativos e dos materiais disponibilizados para download. Os dados indicam uma concepção restrita de alfabetização, centrada no método fônico, na audição, na repetição e na memorização de grafemas e fonemas. A proposta de formação de professores configura-se como reducionista, acrítica e homogeneizadora, prestando assim, um desserviço à alfabetização, uma vez que apaga o arcabouço teórico e as práticas alfabetizadoras plurais das escolas brasileiras.

Biografia do Autor

Gabriela Medeiros Nogueira, Universidade Federal do Rio Grande- FURG

Professora adjunta no Istituto de Educação e no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande - FURG.

Doutora em Educação pelo PPGE/FaE/UFPEL.

Integrante dos grupos de pesquisa NEPE/FURG e HISALES/UFPEL.

Referências

ALMEIDA, Ana Caroline de. Ninguém chega lá, partindo de lá, mas daqui: uma crítica ao conceito de alfabetização

na PNA, à luz de algumas contribuições de Paulo Freire. Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte v. 1,

n. 10 (Edição Especial), p. 52-57, jul./dez.2019. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/

rabalf/article/view/353. Acesso em: 10 dez. 2020.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução a teoria e aos métodos.

Porto: Porto Ed., 1994.

BAPTISTA, Mônica Correia. Alfabetização e letramento em classes de crianças menores de sete anos: direito

da criança ou desrespeito à infância? In: GONÇALVES, Adair Vieira e PINHEIRO, Alexandre dos Santos (Orgs.).

Nas trilhas do letramento: entre teoria, prática e formação docente. Campinas: Mercado de Letras; Dourados:

Editora da Universidade Federal de Dourados, 2011, 95-110.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi; LEAL, Telma. Ferraz. Alfabetizar e letrar na Educação Infantil: o que isso

significa? In: BRANDÃO, A. C. P.; ROSA, E. C. de S. R. (Orgs.). Ler e escrever na Educação Infantil: discutindo

práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2018, p.13-31.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto nº 9.765, de 11 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de

Alfabetização, Brasília: MEC, 2019a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA: Política Nacional de Alfabetização/Secretaria

de Alfabetização. Brasília: MEC, SEALF, 2019b. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br. Acesso em: 10

de abr.2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 280, de 19 de fevereiro de 2020. Institui o Programa Tempo de

Aprender, que dispõe sobre a alfabetização no âmbito do Governo Federal. Brasília: MEC, 2020a. Disponível

em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-280-de-19-de-fevereiro-de-2020-244584539. Acesso em 12

mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Formação continuada em práticas de alfabetização do Programa Tempo

de Aprender. Brasília: MEC, 2020b. Disponível em: http://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/sealf/curso/5401/

visualizar. Acesso em: 31 mar. 2020.

BRASLAVSKY, Berta. Primeiras letras o primeiras lecturas? Una introducción a la alfabetización temprana.

Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2007.

EM REDE, A. Alfabetização em rede: uma investigação sobre o ensino remoto da alfabetização na pandemia

covid-19 - relatório técnico (parcial). Revista Brasileira de Alfabetização, n. 13, p. 185-201, 3 dez. 2020.

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva. Um paradigma científico e evidências a ele relacionadas resolveriam

os problemas da alfabetização brasileira? Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte, n.10 (Edição

Especial), jul./dez.2019. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/339.

Acesso em: 10 abr. 2020.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre, Artes Médicas, 1985.

GONTIJO, Cláudia Maria. A escrita infantil. São Paulo: Cortez, 2008.

LEAL, Telma Ferraz. Fazendo acontecer: o ensino da escrita alfabética na escola. In: MORAIS, Arthur Gomes;

ALBUQUERQUE, Eliane Borges Correia e LEAL, Telma Ferraz (Orgs.). Alfabetização: apropriação do sistema de

escrita alfabética, Belo Horizonte, Autêntica, 2005. p.29-46.

LEAL, Telma Ferraz. Apontamentos sobre a Política Nacional de Alfabetização 2019. Revista Brasileira de

Alfabetização, Belo Horizonte, v.1, n.10 (Edição Especial), p. 76-85, jul./dez.2019. Disponível em: https://

revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/358. Acesso em: 10 abr.2020.

LAPUENTE, Janaína Soares Martins; NOGUEIRA, Gabriela Medeiros. A Política Nacional de Alfabetização e a

formação de professores do MEC: as duas faces da mesma moeda. In: V CONBALF, 2021. Anais eletrônicos...

Santa Catarina: Florianópolis, 2021, p. 1-8. Disponível em: http://eventos.udesc.br/ocs/index.php/V_CBA/ppr/

paper/viewFile/1459/956. Acesso em 20 agosto, 2021.

LÜDKE, Menga.; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACEDO, Maria do Socorro Alencar Nunes. Por uma alfabetização transformadora. Revista Brasileira de

Alfabetização, Belo Horizonte v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 66-65, jul./dez.2019. Disponível em: https://

revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/356. Acesso em: 15 out. 2020.

MANRIQUE, Ana Maria Borzone de. No caminho rumo à escrita e à leitura. In: CUBERES, Maria Tereza Gonzalez

(Org.). Educação Infantil e séries iniciais: articulação para a alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

p. 60-72.

MANRIQUE, Ana Maria Borzone de. Leer y escribir a los 5. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2007.

MARTINS, Maria Silvia Cintra. Vale ou não vale a pena. Revista Brasileira de Alfabetização. Belo Horizonte, v. 1,

n. 10 (Edição Especial), p. 108-111, jul./dez. 2019. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.

php/rabalf/article/view/358. Acesso em: 10 abr.2020.

MCLANE, Joan Brooks; MCNAMEE, Gillian Dowley. Alfabetización temprana. Ediciones Morata, 1999.

MONTEIRO, Sara Mourão. A concepção de alfabetização na Política Nacional de Alfabetização / MEC/2019.

Revista Brasileira de Alfabetização. Belo Horizonte, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 39-43, jul./dez. 2019.

Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/358. Acesso em: 10 abr.2020.

MORAIS, Artur Gomes de. Análise crítica da PNA (Política Nacional de Alfabetização) imposta pelo MEC através

de decreto em 2019. Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte, v. 1, n. 10, (Edição Especial), p. 66-75,

jul./dez. 2019. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/357. Acesso

em: 20 ago. 2020.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Brasil, 2091: notas sobre a “Política Nacional de Alfabetização”. Olhares:

Revista Eletrônica do Departamento de Educação da Unifesp, v. 7, n. 3, p. 17-51, 2019. Disponível em: https://

periodicos.unifesp.br/index.php/olhares. Acesso em: 5 fev. 2020

NOGUEIRA, Gabriela Medeiros; PERES, Eliane Teresinha. A supremacia da perspectiva associacionista em

práticas alfabetizadoras no 1º ano do Ensino Fundamental de nove anos. Educação em Revista, Belo Horizonte,

v. 29, n. 02, p. 65-89, jun. 2013

NOGUEIRA, Gabriela Medeiros; LAPUENTE, Janaína Soares Martins. “Tempo de Aprender”: uma proposta do

Ministério da Educação para professores alfabetizadores. Revista de Educação PUC-Campinas, v. 26, p.1-17,

Disponível em https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a493. Acesso 17 mar. 2021.

SOARES, Magda. As muitas facetas da alfabetização. Cadernos de Pesquisa, São Paulo (52), p. 19-24, fev. 1985.

Disponível em: http://www.ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/25anos/files/arquivo/5-Artigo-As-muitas-facetas-daalfabetizacao.pdf.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998a.

SOARES, Magda. Alfabetização: a (des) aprendizagem das funções da escrita. Educação em Revista, n. 8, p.3-

, 1988b.

SOARES, Magda. Aprender a escrever, ensinar a escrever. In: ZACCUR, Edwiges (Org.). A magia da linguagem.

Rio de Janeiro: DP&A, SEPE, 2001. pp. 49-73.

SOARES, Magda. A escolarização da leitura infantil e juvenil. In: EVANGELSTA, Aracy Alves Martins; BRANDÃO,

Maria e MACHADO, Maria Zélia Versiani (Orgs.). A escolarização da leitura literária: o jogo do livro infantil e

juvenil. Belo Horizonte: Autêntica, 2001a. p. 17-48

SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro,

n. 24, p. 5-17, jan.-abr. 2004b.

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2020, 192 p.

VIANNA, Cláudia Pereira. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, n.17-18, p. 81-103, 2002.

Publicado

2022-03-24

Como Citar

Nogueira, G. M., & Lapuente, J. S. M. . (2022). TEMPO DE APRENDER: UM DESSERVIÇO PARA A ALFABETIZAÇÃO NO BRASIL. Revista Brasileira De Alfabetização, (16), 117-136. https://doi.org/10.47249/rba2022595

Edição

Seção

ARTIGOS