A POLÍTICA NACIONAL DE ALFABETIZAÇÃO E A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR NA PERSPECTIVA DOS TEÓRICOS DA ALFABETIZAÇÃO

Autores

  • Ricardo Luiz Bittencourt Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC
  • Nazaré Nunes Barbosa Cesa Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.47249/rba2023688

Palavras-chave:

Alfabetização. PNA. BNCC

Resumo

A alfabetização é de extrema importância para construção social do indivíduo; espaço de excelência em que a criança dá os primeiros passos em direção a uma sociedade letrada. Logo, atentar-se para os fatores que influenciam neste processo é primordial. Diante disso, este artigo teve como objetivo analisar a Política Nacional de Alfabetização (PNA) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) na perspectiva de teóricos da alfabetização, como: Soares (2004, 2005, 2016, 2019, 2020); Dangió e Martins (2018); Dehaene (2012, 2013); Lemle (2009); Mortatti(2006); Scliar-Cabral (2012), entre outros necessários para a completude da pesquisa. Como metodologia utilizou-se abordagem qualitativa com fundamentos na Revisão de Literatura e na Pesquisa Documental.  Analisou-se os tópicos: concepção, método e tempo de alfabetização defendidos pelos dois documentos, estabelecendo paralelo com teóricos que embasaram o trabalho.  A análise apontou que há divergências quanto à concepção e também ao método de alfabetização adotados, porém, quanto ao tempo de alfabetização, os documentos concordam que o processo formal deve iniciar no 1º ano do Ensino Fundamental e pode acontecer até o 2º ano. Ainda, ambos ressaltam a importância da Educação Infantil para o desenvolvimento das habilidades necessárias à aprendizagem da leitura e da escrita.

Biografia do Autor

Nazaré Nunes Barbosa Cesa, Instituto Federal Catarinense

Mestre em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA: Política

Nacional de Alfabetização, 2019.

CARVALHO, G. T. Grafema. Glossário Ceale. Minas Gerais. s/d. Disponível em: https://www.ceale.fae.ufmg.br/glossarioceale/verbetes/grafema. Acesso em: 05 jul.2022.

DANGIÓ, M.C.S; MARTINS, L. M. A alfabetização sob o enfoque histórico-crítico: contribuições didáticas. Campinas-SP: Autores Associados, 2018.

DEHAENE, S. A atividade da leitura modifica as redes corticais da visão e da linguagem verbal. Letras de hoje, Porto Alegre, PUC-RS. Vol.48, n.1, p. 148-152. Jan./mar. 2013.

FONTES, F. C. O. et al., Alfabetização de crianças: dos métodos à alfabetização em uma perspectiva de letramento. Anais V FIPED. Campina Grande: Realize Editora, 2013. Disponível em: <https://www.editorarealize.com.br/artigo/visualizar/3639>. Acesso em: 03 de jan. 2022.

LEAL, T.F. Concepção de alfabetização em documentos curriculares: comparação Brasil Argentina. Revista Linhas. Florianópolis, v. 23, n. 51, p. 160-189, jan./abr. 2022.

LEMLE, M. Guia Teórico do Alfabetizador. 17. ed. São Paulo: Ática, 2009.

MACEDO, M.S A.N.; ALMEIDA, A.C.; TIBÚRCIO, A.P.A. Práticas de alfabetização com crianças de seis anos no ensino fundamental: diferentes estratégias, diferentes concepções. Cad. Cedes, Campinas, v. 37, n. 102, p. 219-236, maio-ago., 2017.

MACIEL, F. I. P . Política Nacional de Alfabetização é analisada em II Fórum Mineiro de Alfabetização. Anais do II Fórum Mineiro de Alfabetização. Faculdade de Educação da

UFMG no dia 3 de dezembro de 2019. Disponível em:

<http://www.ceale.fae.ufmg.br/pages/view/politica-nacional-de-alfabetizacao-e-analisada-em-iiforum-mineiro-de-alfabetizacao.html>. Acesso em 12 de jan. de 2022.

MONTEIRO, M. S. A concepção de Alfabetização na Política Nacional de

Alfabetização/MEC/2019. In: Revista Brasileira de Alfabetização-ABAlf, v.1, n. 10,

Edição Especial, 2019.

MORTATTI, M.R.L. História Dos Métodos De Alfabetização No Brasil. (2006). Disponível:<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/alf_mortattihisttextalfbbr.pdf> Acesso: 23 de fev. de 2022.

NUNES, D.P.A. Língua Portuguesa – Letramento. In: TIERNO, G. A Criança de 6 anos: reflexões e Práticas. São Paulo: Editora Meca, 2008.

SCLIAR- CABRAL . L. A desmistificação do Método Global. Letras de Hoje. Porto Alegre: PUC-RS, v. 48, n.1, p. 6-11, jan.mar. 2013b.

SILVA, S. C. O.; ARRUDA, S. C.; LEAL, T. F. Professores alfabetizadores: o que dizem e o que Fazem. Educação em Foco (Juiz de Fora). , v.18, p.243 - 268, 2013.

SILVA, E. T. et al (Org.). Alfabetização no Brasil: questões e provocações da atualidade. Campinas: Autores Associados, 2007.

SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação. Abr. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/89tX3SGw5G4dNWdHRkRxrZk/abstract/?lang=pt. Acesso em: jun. 2022.

___________ . Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2005.

___________ . Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo, SP: Contexto, 2016.

___________ . Educadoras comentam a Cartilha da Política Nacional de Alfabetização. 2019. Disponível em: https://www.cenpec.org.br/tematicas/ educadoras-comentam-cartilha-do-programa-nacional-de-alfabetizacao. Acesso em: 28. fev. 2022.

___________ . Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo, SP: Contexto, 2020.

DEHAENE, S. Como o cérebro da criança aprende a ler na alfabetização?, Youtube, 2012. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=BmRDFaBYlWs. Acesso em: 21 de jan.2022.

Publicado

2023-12-04

Como Citar

Bittencourt, R. L., & Nunes Barbosa Cesa, N. . (2023). A POLÍTICA NACIONAL DE ALFABETIZAÇÃO E A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR NA PERSPECTIVA DOS TEÓRICOS DA ALFABETIZAÇÃO. Revista Brasileira De Alfabetização, (21), 1-17. https://doi.org/10.47249/rba2023688

Edição

Seção

ARTIGOS