ALFABETIZAÇÃO & HISTÓRIA

O USO DA CARTILHA SALESIANA ENTRE OS POVOS INDÍGENAS DO RIO UAUPÉS/RIO NEGRO – AMAZONAS

Autores

  • Josélia Gomes Neves Universidade Federal de Rondônia
  • José Carlos de Melo Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.47249/rba2023717

Palavras-chave:

Povos Indígenas. Cartilhas. Alfabetização Histórica. Amazônia.

Resumo

O objetivo deste texto foi analisar na perspectiva histórica uma cartilha de alfabetização para indígenas produzida no século XX pela missão Salesiana. A investigação com enfoque qualitativo em interface com a pesquisa documental possibilitou observar dentre outras questões, que do ponto de vista político, este material simbolizava a entrada indígena para o mundo da escrita conectado aos interesses governamentais (integração) e religiosos (catequização) junto aos povos originários. Exceto pelas poucas grafias em língua materna, bem como imagens relacionadas ao mundo indígena, a cartilha sintética evidencia uma visão unilateral em que predomina as vozes dos Salesianos e do Estado brasileiro. Uma reflexão que pode contribuir para os lacunares estudos da História da Educação Escolar Indígena.

Referências

ALMEIDA, S.A.S. Bilinguismo e Educação Bilíngue Intercultural: os Apinayé e o uso das línguas apinayé e portuguesa nos seus domínios sociais. Curitiba, 2011. Anais do VII Congresso Internacional da Abralin. Disponível em: http://etnolinguistica.wdfiles.com/ _bilinguismo.pdf Acesso em: 20 mar. 2020.

ATHIAS, Renato. Doenças e cura: sistema médico e representação entre os Hupde-Maku da região do Rio Negro, Amazonas. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre: UFRGS, v. 4, n. 9. 1998.

ATHIAS, Renato. Introdução. RAMIREZ, Henri. A Língua dos Hupd'äh do Alto Rio Negro: dicionário e guia de conversação. São Paulo: Associação Saúde Sem Limites. 2006.

ATHIAS, Renato. Oralidade e prática de ensino entre os professores Hup’däh da região do Rio Negro. Tellus, [S. l.], n. 19, p. 83–96, 2014.

BAUBIER, Arlete Sandra Mariano Alves; REIS, Maria Amélia de Souza. Da República aos dias de hoje: excertos da memória iconográfica sobre educação indígena. Universidade de Coimbra no Amazonas. Coimbra, Outubro, 2011.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394. Diário Oficial da União, Brasília, p. 27833- 6544 de 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. Medida Provisória nº 1.154 de 1º de janeiro de 2023. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2023- %A9rios. Acesso em: 12 mai. 2023.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Livro Didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. 383 f. Orientadora: Raquel Glezer. Tese (Doutorado em História). Universidade de São Paulo, USP, 1993.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência. São Paulo: Brasiliense, 1982.

COSTA, Mauro Gomes da. Os povos indígenas do Alto Rio Negro/AM e as missões civilizatórias salesianas: evangelização e civilização. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, julho 2011.

COSTA, Mauro Gomes. Católicos para Deus e brasileiros para a pátria: os povos indígenas do alto Rio Negro e a Educação Escolar Salesiana (1960-1980). Revista Brasileira de História da Educação, 17 (4[47]), p. 163 – 193, 2017.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática. São Paulo: Ática, 1990.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

GIACOME, Antonio. Cartilha para as escolas das missões indígenas salesianas do Rio Uaupés. Rio Negro - Amazonas. Oficinas Gráficas do D.E.I.P. Manaus, 1944.

GIACONE, Antônio. Os Tucanos e outras tribos do Rio Uaupés – afluente do Negro, Amazonas: notas etnográficas e folclóricas de um missionário salesiano. Imprensa Oficial do Estado. Associação Brasileira dos Amerindianistas: São Paulo, 1949.

GIACONE, A. Pequena Gramática e Dicionário Português Ubde-Neh hern ou Makú. Recite, 1955.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-44, 2001.

LEITE, Kécio Gonçalves. Nós mesmos e os outros: Etnomatemática e Interculturalidade na Escola Indígena Paiter. 409f. Tese (Doutorado Educação em Ciências e Matemática). UFMT, Cuiabá, 2014.

LOPES, Eliane Marta Santos Teixeira; GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. História da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

LOURENÇO FILHO. Disponível em: http://wiki.historiadapsicologia.com.br/index.php?title=Louren%C3%A7o_Filho Acesso em: maio de 2023.

MAISONNAVE, Fabiano; ALMEIDA, Lalo de. No Amazonas, missão salesiana se transforma em “cidade dos índios”. Jornal Folha de S. Paulo. 4 de nov. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/11/no-amazonas-missao-salesiana-se-transforma-em-cidade-dos-indios.shtml. Acesso em: 20 dez. 2020.

MARQUES, Bruno Ribeiro; RAMOS, Danilo Paiva. Dissoluções necessárias: a perspectiva dos Hupd’äh nas relações do “sistema regional do alto Rio Negro”. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 104, 2019.

MARTINS, Andrea. Pirulito Alfabetização. Editora Scipione, 2007.

MEDEIROS, Juliana Schneider. História Da Educação Escolar Indígena no Brasil: alguns apontamentos. Anais do XIV Encontro Estadual de História. ANPUH-RS, 18 a 21 de 2018.

MELIÀ, Bartomeu. Educação Indígena e Alfabetização. São Paulo: Edições Loyola, 1979.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira; CRUZ NETO, Otávio. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 21 ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 1994.

MISSIONÁRIOS SALESIANOS. Pelo rio mar. Rio de Janeiro 1933.

MONSERRAT, Ruth Maria Fonini. O que é ensino bilíngüe: a metodologia da gramática contrastiva. Em Aberto, Brasília, ano 14, n.63, jul./set. 1994.

MONTE, Nietta Lindemberg. Escolas Formais – Agências Mediadoras. In: CABRAL, Ana Suelly A. Câmara e outros. Por uma educação indígena diferenciada. Brasília: FNPM, 1987.

MONTE, Nietta Lindemberg. Entre o silêncio em língua portuguesa e a página branca da escrita indígena. Em Aberto, Brasília, ano 14, n.63, jul./set. 1994.

MOREIRA, Geraldo Eustáquio. O processo de alfabetização e as contribuições de Emília Ferreiro. Revista de Letras, v. 7, n. 1, p. 1-20, 2014.

NEVES, Josélia Gomes. Cultura escrita em contextos indígenas. 2009. 369f. Tese (Doutorado em Educação Escolar). Universidade Estadual Paulista, Araraquara– SP, 2009.

NEVES, Josélia Gomes. Educação, Linguagem e Religião: as cartilhas de alfabetização entre os Pacaas Novos. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, [S. l.], v. 13, n. 01, p. 433-460, 2021.

PEREIRA, Cleuzira Custodia et. al. Alfabetização: métodos e algumas reflexões. Unicaldas. Caldas Novas, 2013. Disponível em:

https://unicaldas.edu.br/site-novo/wp-content/uploads/2021/04/METODO_ALFABETIZACAO. Acesso em: 20 dez. 2020.

PEREIRA, Patricia Darci. Por entre diálogos e imagens em alfabetários nos discursos de professores. 141f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 2018.

PHILIPSON, Jurn Jacob. Cartilhas indígenas e gramática de transferência. Revista do Museu Paulista Nova Série, v. XX (1972-75), São Paulo: Museu Paulista da Universidade de São Paulo. 1975.

PERES, Eliane; RAMIL, Chris de Azevedo. Cartilhas, pré-livros, livros de alfabetização, livros para o ensino inicial da leitura e da escrita: guardá-los e estudá-los, para quê? Revista Linhas. Florianópolis, v. 19, n. 41, p. 34-64, set./dez. 2018.

RAMIREZ, Henri. A Língua dos Hupd'äh do Alto Rio Negro: dicionário e guia de conversação. São Paulo: Associação Saúde Sem Limites. 2006.

RAMOS, Graciliano. Infância. 29. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 1994.

SANTOS, Eva Aparecida dos. Livros escolares diferenciados para indígenas. 204 f. Orientadora Antonia Terra de Calazans Fernandes. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP. São Paulo, 2017.

SILVA. Alcionílio Brüzzi Alves da. Crenças e lendas do Uaupés. Cavambe-Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 1994.

SILVERWOOD-COPE, Peter. Os Makú: povo caçador do noroeste da Amazônia. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1990.

VIEIRA, Zeneide Paiva Pereira. Cartilhas de alfabetização no Brasil: um estudo sobre trajetória e memória de ensino e aprendizagem da língua escrita. 197 f. Tese (Doutorado em Memória: Linguagem e Sociedade). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, 2017.

VILLALOBOS, João Eduardo. O problema dos valores na formação e no funcionamento do sistema educacional brasileiro. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. 33, n. 76, p. 34-49, out-dez. 1959.

WEIGEL, Valéria Augusta Cerqueira de Medeiros. Os Baniwa e a escola: sentidos e repercussões. Revista Brasileira de Educação. n. 22, jan./fev./mar./abr., 2003.

Publicado

2023-12-04

Como Citar

Neves, J. G. ., & Melo, J. C. de . (2023). ALFABETIZAÇÃO & HISTÓRIA: O USO DA CARTILHA SALESIANA ENTRE OS POVOS INDÍGENAS DO RIO UAUPÉS/RIO NEGRO – AMAZONAS. Revista Brasileira De Alfabetização, (21), 1-16. https://doi.org/10.47249/rba2023717

Edição

Seção

ARTIGOS