A ALFABETIZAÇÃO EM DISCURSO

UMA ANÁLISE DE ENUNCIADOS INSTITUCIONAIS BRASILEIROS

Autores

  • Adriana Ofretorio Faculdade de Educação - Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.47249/rba2022563

Palavras-chave:

Alfabetização. Enunciado. Sentido. Análise do Discurso

Resumo

Reconhecendo a multiplicidade e os efeitos de sentidos dos discursos sobre a alfabetização nas práticas escolares em instituições brasileiras, o objetivo desse artigo é analisar a relação entre discursos de duas instituições importantes que promovem estudos, diálogos e orientações para a área: a primeira, o discurso do Ministério da Educação (MEC), com seu Novo Plano de Alfabetização (PNA) “Tempo de Aprender” e a segunda, a Associação Brasileia de Alfabetização (ABAlf), com suas manifestações a respeito da nova política de Alfabetização do governo federal. Cada uma dessas instituições ao defender um modo de se alfabetizar (o MEC o método fônico e a ABAlf a pluralidade de métodos) provoca um efeito de sentido, no qual os dois discursos ao mesmo tempo que se diferem se constituem.

Referências

ABALF, Associação Brasileira de Alfabetização. Manifestação Pública da Associação Brasileira de Alfabetização (ABALf) e Outras Entidades ao Ministro da Educação. Belo Horizonte, 2019a. Disponível em: https://www.abalf.org.br/posicionamentos. Acesso em: 20 out. 2020.

ABALF, Associação Brasileira de Alfabetização. Carta Aberta do IV Congresso Brasileiro de Alfabetização (IV Conbalf). Belo Horizonte, 2019b. Disponível em: https://www.abalf.org.br/posicionamentos. Acesso em: 20 out. 2020.

ABALF. Posicionamento da ABAlf frente ao Programa de Alfabetização “Tempo de

Aprender”, 2020. Disponível em: https://www.abalf.org.br/posicionamentos. Acesso em: 20 ago. 2020.

ACHARD, Pierre. et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999.

Althusser, Louis. Ideologic et appareils ideologiques d'etat (Notes pour une recherche). La Pensee, [S. l.], n. 151, jun. 1970.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 2004.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA Política Nacional de Alfabetização/Secretaria de Alfabetização. Brasília: MEC, SEALF, 2019a. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br/images/pdf/caderdo_final_pna.pdf. Acesso em: 20 out 2020.

BRASIL. Decreto nº 9.765, de 11 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Alfabetização. Presidência da República. Casa Civil. 2019b https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/d9765.htm. Acesso em: 20 ago. 2020

COURTINE, Jean-Jaques. O chapéu de Clémentis. Observações sobre a memória e o esquecimento na enunciação do discurso político. In: INDURSKY, Freda; FERREIRA, Maria Cristina Leandro (Orgs.). Os múltiplos territórios da análise do discurso. Porto Alegre: Sagra Luzzalto, 1999, p. 15-22.

COURTINE, Jean-Jaques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do Saber. 7. ed. Trad. Luiza Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GONTIJO, Claudia Maria Mendes; ANTUNES, Janaína Silva Costa. Diálogos com o Plano Nacional de Alfabetização (2019): contrapalavras. Revista Brasileira de Alfabetização, v. 1, n. 10, 25 mar. 2020. https://doi.org/10.47249/rba.2019.v1.371. Acesso em: 20 ago. 2020.

HENRY, Paul. Os fundamentos teóricos da 'Análise automática do discurso" De Michel Pecheux (1969). In: GADET, Françoise; HAK, Tony (Orgs). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethania S. Mariani et al. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. p. 13-38.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. 3. ed. Trad. Freda Indursky. Campinas: Pontes - Editores da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos Discursos. Trad. Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MAINGUENEAU, Dominique. Argumentação e Cenografia. In: BRUNELLI, Anna Flora; MUSSALIM, Fernanda; FONSECA-SILVA, MMaria da Conceição (Orgs.). Língua, texto, sujeito e (inter)discurso. São Carlos: João & Pedro Editores, 2013.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso e Análise do Discurso. Trad. Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

MICHAELIS. Eficaz. Dicionário Brasileiro de Língua Portuguesa. Editora

Melhoramentos, 2015. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br. Acesso em: 20 ago. 2020.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Maio de 1968: os silêncios da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Trad. int. José Horta Nunes. Campinas: Pontes, 1999. p. 59-67.

ORLANDI, Eni. Pulcinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 2. ed. Campinas: Pontes, 2007.

PÊCHEUX, Michel.; FUCHS, Catherine. A propósito da Análise Automática do discurso: atualização e perspectivas (1975). In: GADET, Frances; HAK, Tony (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethania S. Mariani et al. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. p. 163-252.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso. 5. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

POSSENTI, Sírio. Questões para analistas do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

POSSENTI, Sírio. Notas sobre gênero, uma questão teórica e metodológica. Revista da ABRALIN, [S. l.], v. 11, n. 2, 31 dez. 2012. Disponível em: https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/1122. Acesso em: 20 ago. 2020.

Publicado

2022-07-05

Como Citar

Ofretorio, A. (2022). A ALFABETIZAÇÃO EM DISCURSO: UMA ANÁLISE DE ENUNCIADOS INSTITUCIONAIS BRASILEIROS. Revista Brasileira De Alfabetização, (17). https://doi.org/10.47249/rba2022563

Edição

Seção

ARTIGOS