LIMITES E POSSIBILIDADES DO ENSINO REMOTO DA ALFABETIZAÇÃO

O QUE DIZEM AS ALFABETIZADORAS NO INTERIOR DO CEARÁ

Autores

  • Maria do Socorro Alencar Nunes Macedo Universidade Federal de São João del-rei

DOI:

https://doi.org/10.47249/rba2022594

Palavras-chave:

Alfabetização, Ensino remoto, professoras alfabetizadoras

Resumo

Este artigo analisa o ensino da leitura e da escrita durante o ensino remoto no contexto pandêmico, destacando as ferramentas mobilizadas pelas professoras, os maiores desafios, o suporte que receberam recebendo de suas instituições. Os dados foram coletados por meio de um realizamos um survey e de grupos focais com as docentes. Os resultados indicam que apesar da angústia e da ausência de uma formação adequada, as docentes criaram muitas estratégias pedagógicas, algumas adaptadas do ensino presencial.

Biografia do Autor

Maria do Socorro Alencar Nunes Macedo, Universidade Federal de São João del-rei

Graduação em Pedagogia (1991), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998) e doutorado em Educação nesta mesma universidade (2004). Pós-doutorado pela University of London, Kings College, sob a orientação do professor Brian Street (2009).Professora Associada da Universidade Federal de São João Del Rey, atualmente cedida para a Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Educação. É pesquisadora da área de letramento e alfabetização numa perspectiva etnográfica. Orientadora de mestrado e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE. Coordena projetos que investigam práticas escolares de alfabetização e letramento nos anos iniciais do ensino fundamental e no ensino superior e práticas de letramento e alfabetização de populações que vivem no campo. Coordenadora do GT 10 da ANPED: Alfabetização , Leitura e Escrita no período de 2011 a 2013. Vice-presidente da ABALF ( Associação Brasileira de Alfabetização).Bolsista de Produtividade do CNPq. Poeta.

Referências

BAKHTIN, Mikhail (Volochínov). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995 [1929].

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes,1997 [1977].

BAKHTIN, Mikhail. The dialogic imagination. Austin: University of Texas Press, 1981.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 26. ed. São Paulo: Cortez,

1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987

FREITAS, Henrique. et al. O método de pesquisa survey. Revista de Administração da USP, São Paulo, v. 35, n.

, p.105-112, jul./set. 2000.

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo focal na pesquisa em ciências humanas. Brasília: Liber Livro editora, 2012.

GOODY, Jack.(1977) The domestication of savage mind. Cambridge: Cambridge university press.

MACEDO, Maria do Socorro Alencar Nunes (org.) A função da literatura na escola: resistência, mediação e

formação docente. São Paulo: Parábola, 2021.

MACEDO, Maria do Socorro Alencar Nunes (org.). Educação literária: mediação e prática pedagógica. Recife:

Linguaraz editor. 2019.

MAINARDES, Jeferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas

educacionais. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.

OLSON, David. (1997). O mundo no papel: as implicações conceituais e cognitivas da leitura e da escrita. São

Paulo: Ática.

ONG, W.J. (1982). Orality and literacy: The technologizing of the word. New York: Methuen.

STREET, Brian. Literacy in theory and practice. New York: Cambridge University Press, 1984.

Publicado

2022-03-24

Como Citar

Macedo, M. do S. A. N. (2022). LIMITES E POSSIBILIDADES DO ENSINO REMOTO DA ALFABETIZAÇÃO: O QUE DIZEM AS ALFABETIZADORAS NO INTERIOR DO CEARÁ. Revista Brasileira De Alfabetização, (16), 103-116. https://doi.org/10.47249/rba2022594

Edição

Seção

ARTIGOS